fbpx

Eflúvio Telógeno

O eflúvio telógeno é uma condição caracterizada pelo aumento visível da queda diária dos fios de cabelo. É percebido, principalmente, durante o banho quando o cabelo cai no chão ou ao se pentear os fios.

 

Veja também:

 

 

Tipos de eflúvio telógeno

 

Existem dois tipos, o agudo e o crônico, em que as características são diferentes.

  • Eflúvio Telógeno Agudo: a sua causa está diretamente ligada a algum evento/fator que aconteceu três meses antes do início da queda. Isso porque o preparo para que o cabelo caia dura entre dois e três meses; depois disso é que os fios se desprendem do couro cabeludo. O comum é que cada indivíduo perca de 100 a 120 fios por dia, mas com esse tipo de eflúvio há uma perda de 200 a 300 fios. Os eventos mais associados à queda são pós-parto, febre, infecção aguda, sinusite, pneumonia, gripe, dietas muito restritivas, doenças metabólicas ou infecciosas. Assim como cirurgias, especialmente a bariátrica, por conta da perda de sangue e do estresse metabólico, além do estresse.
  • Eflúvio Telógeno Crônico: fase em que o cabelo cai abundantemente, mas em longo prazo. Há ciclos de aumento dos fios na fase de queda, de forma cíclica. Ocorre uma ou duas vezes por ano, ou a cada dois anos, dependendo do paciente. Conforme o tempo passa, o paciente fica com o cabelo mais volumoso na base e menos volumoso no comprimento. O cabelo fica mais curto e com o “rabo de cavalo” mais fino. O problema nem sempre tem causa definida, mas sabe-se que está associado a doenças autoimunes, dentre elas, a mais comum é a tireoidite de Hashimoto.

O principal sintoma é a própria queda do cabelo, com aumento dos fios que caem diariamente. Coceira no couro cabeludo, principalmente na região posterior, pode estar presente em alguns casos.

eflúvio telógeno

Tratamento

O eflúvio telógeno é uma doença capilar autolimitada, ou seja, tem uma duração predeterminada de dois a quatro meses, caso não haja outra doença associada. E, de um dia para o outro, há uma aparente melhora.

Em teoria, não seria necessário nenhum tipo de tratamento. Mas, se o paciente tem alguma condição associada, como a calvície ou a alopecia senil (rarefação que surge após os 60 anos), em geral, costuma-se tratá-lo para que possa ter plena capacidade de recuperar o volume e o comprimento dos fios. É importante lembrar que não há um tratamento específico.

Algumas medicações, que são estimuladoras do crescimento capilar, podem ser associadas para acelerar esse processo de recuperação. Se o paciente for saudável, e sem doença prévia do couro cabeludo, terá plena capacidade de recuperação.