fbpx

Laser no ressecamento vaginal

O cuidado com a região íntima tem sido cada vez maior, não só na parte estética, mas também na parte interna. O ressecamento vaginal é a redução ou ausência da umidificação natural da área. Afinal, o muco transparente produzido pelo organismo é responsável por fazer a proteção das paredes vaginais e mostrar a excitação feminina. Além disso, mantém a textura macia e a elasticidade.

 

Veja também:

 

O ressecamento vaginal pode gerar dor e também ocasionar problemas psicológicos na mulher. Como, por exemplo, estresse, medo, baixo libido e culpa, que são empecilhos para a realização pessoal. Pesquisas mostram que cerca de 5% da população feminina sofre com a secura vaginal, um problema que tornar o sexo doloroso e desconfortável. Mas, dessas, 90% não buscam o tratamento adequado.

Além disso, pode gerar o aparecimento de microlesões nas paredes vaginais. Dessa forma, causa atrito e deixa a região mais suscetível a inflamações.

 

Tratamento para ressecamento vaginal

 

Mas, hoje já existem equipamentos capazes de reverter esse tipo de problema. É o caso do laser que une outros dois tipos de lasers, ND Yag e Erbium Yag. Assim, de maneira segura, reverte esse processo e faz com que o corpo passe a produzir novamente o muco transparente.

O aparelho age sem causar dor e queimaduras. Desse modo é inserido na vagina da mulher e a luz do laser Erbrium estimula a formação de colágeno na camada da mucosa vaginal. Além disso, promove um tensionamento dessa mucosa e estimulação da hidratação vaginal.

ressecamento vaginal

Os problemas de ressecamento vaginal são muito comuns em mulheres que passam pela menopausa, sendo que 50% delas apresentam alguns dos sintomas do declínio da produção de estrogênio.

Para prevenir pode seguir as seguintes recomendações:

  • Realizar a higiene íntima duas vezes por dia, para manter o equilíbrio da flora vaginal;
  • Utilizar produtos que não afetem a acidez da região, por exemplo, sabonetes com pH neutro;
  • Não usar por longos períodos absorventes e tampões,
  • Evitar utilizar calçar apertadas que podem irritar a vulvar, por conta do atrito. Opte por roupas íntimas de algodão;
  • Mantenha as relações sexuais regularmente, já que melhora a circulação sanguínea;
  • Evitar se estressar;

É indicado que se a paciente estiver sentindo algum sintoma, mesmo que leve, já busque um profissional qualificado a fim de descobrir e tratar as causas.